sábado, 30 de Julho de 2011

A rapariga que sonhava com uma lata de gasolina e um fósforo


Atenção, não sou eu! É o regresso da minha Lisbeth.




Tenho tido pouco tempo para ler, e esta coisa dos turnos rotativos vai-nos queimando o miolo, mas depois de para aí 2 meses, lá peguei novamente no livro para não mais largar. E depois não ajuda o facto de me pôr a ler o Murakami ao mesmo tempo (o Underground é arrepiante! em especial, se tivermos em conta todos estes últimos acontecimentos... qualquer dia sou agorafóbica...).



Mas, tal como o volume anterior, este continua a seguir a história da Lisbeth (que é sem dúvida uma das personagens femininas mais fantásticas de sempre) de um modo tenebroso, mas ao mesmo tempo viciante e que nos põe sempre a soluçar por mais... Assim que acabei este livro, tive que ir buscar o 3º da saga. Não aguentei não saber o que poderia acontecer (apesar de já ter visto os filmes... é verdade! Mas a verdade é que normalmente há sempre coisas diferentes - por exemplo o médico do 3º filme é um borrachinho que se sente atraído pela Lisbeth e no 3º livro o médico tem 50 e poucos anos...).



Na verdade, agora, após perceber melhor o porquê de certas coisas que acontecem nos filmes, ainda tenho mais vontade de os rever! Como o F. não gosta muito de ler, não percebe o porquê de eu querer ler livros de filmes que já vi, assim como o oposto... Mas a mim, dá-me ainda mais gozo ver se fazem como eu imaginei, ou se o filme foi uma boa adaptação do livro. Até agora, esta saga, complementa-se maravilhosamente. E se os filmes me fizeram ir à procura dos livros, estes últimos vão com toda a certeza, fazer-me rever os filmes e a grande Noomi Rapace que é uma Lisbeth simplesmente maravilhosa.


1 comentário:

Butterfly disse...

O segundo é o meu preferido dos 3. E também tenho uma adoração enorme pela Lisbeth. :)